Mara Domingues29 Jan 2020

Flores- Como tratá-las da melhor forma

"Do sorriso da mulher nasceram as flores"

Existe uma magia única no trabalho de quem não tem medo de sujar as mãos com terra. De quem ajuda a natureza a produzir o que é belo.
E quem trabalha na floricultura, sabe bem o que isso significa. 
 
Saber esperar
 
O cultivar de flores é algo que requer uma enorme paciência, já que a terra e as plantas têm o seu ritmo muito próprio. E não vale a pena querer forçar ou acelerar o processo. Aqui não irá funcionar.
Podem existir técnicas de floricultura que ajudam a que as colheitas corram bem, a que as flores nasçam mais viçosas e as folhas mais frondosas. No entanto, não é possível puxar pelo pé da planta para que ela cresça mais rápido.
A Natureza tem uma noção de tempo muito própria.
Tem de conhecer bem as caraterísticas do terreno e o tipo de plantação. As flores não se dão em todo o tipo de ambiente. 

O especialista da meteorologia

Por exemplo, não podes cultivar girassóis numa terra que não apanhe pelo menos 6 horas de sol diretamente, só porque gostas muito da flor.
Não chega ter uma área de cultivo e pôr para lá umas sementes.
Um floricultor, sabe quais são as flores indicadas para um solo mais seco, ou que tipo de planta pega numa terra mais húmida.
Tem a noção de que se a zona é ventosa não poderá semear determinadas flores, no entanto também conhece o grupo de resistentes a qualquer intempérie.
 
Por exemplo, tu sabias que existem plantas que gostam mais do inverno?
Os heléboros crescem nos meses frios, começando em dezembro até abril. Desde que a terra esteja protegida por substâncias de origem mineral ou vegetal, podem crescer até aos 70 centímetros. É um tipo de flor que gosta da terra fria.
Não é à toa que estas flores também são conhecidas pelas rosas do Natal.
Mas, por exemplo, o azevinho, conhecido por fazer parte da época mais fria e festiva do ano, adapta-se muito bem à chuva e à falta de sol, no entanto, ao contrário do que se podia esperar, não gosta de grandes ventanias.
 
Estes pequenos pormenores, tornam-se essenciais para se conseguir ter sucesso no cultivo e por norma só os grandes especialistas é que conhecem.
 
Sem calor e sem frio
 
Quem se dedicar à floricultura não pode incomodar-se com o calor, com o frio ou com o vento.
Algumas flores requerem um cuidado continuo, e não querem saber em que altura do ano estamos. 
Terás, muitas vezes de enfrentar temperaturas muito baixas, em que o frio corta na pele. Tal como enfrentarás tardes tórridas com o sol a queimar, não só o corpo como a terra. Lutarás contra os ventos fortes, sem medo e com toda a força que conseguires.
 
Tudo em prol do amor às flores e de um orgulho em vê-las crescer e desabrochar.
Outra coisa que as flores não conhecem, são os dias da semana. Para elas a segunda feira é igual ao sábado e a quarta feira, é idêntica ao domingo.
Sacrificarás muitos fins de semana, muitas férias, muitas horas, anteriormente livres, pelas tuas belas flores.
 
Por isso, normalmente, quem segue pelo caminho da floricultura, fá-lo por gosto, por vocação e não porque, simplesmente respondeu a um anúncio no jornal.
É uma atividade, muitas vezes passada de pais para filhos, de avós para netos. E apesar de associarmos o meio rural às pessoas com mais idade, a verdade é que, nos últimos anos surgiu uma nova geração de agricultores, floricultores e produtores agrícolas que encarregar-se-ão de dar continuidade ao trabalho no campo.
 
Conhecimentos geográficos
 
Sabias que a alfazema é considerada a flor nacional. Esta flor silvestre está presente em inúmeras vertentes no nosso dia a dia. Podes encontrá-la na produção de cosméticos, perfumes, mas também em algumas receitas culinárias. Principalmente na confeção de bolachas.
 
Existem outras variedades de flores que podes encontrar em solo nacional com alguma facilidade. Lírios, gerberas, narcisos são algumas delas. Tens ainda as orquídeas, os girassóis e as margaridas.
 
Contudo, as espécies que florescem no Sul, poderão não desabrochar no Norte e a semente que pega nos Açores, poderá não crescer na Madeira.
 
Os floricultores sabem bem, que tipo de flor hão de cultivar na região onde se encontram. O solo quente e seco do Alentejo, em nada tem a ver com a chamada terra fria que encontramos em Trás-os-Montes.
A humidade da terra no Ribatejo tem propriedades muito distintas da terra vulcânica açoriana.
 
Venda de beleza natural
 
Se quiseres comprar flores diretamente dos produtores também é possível.
Por exemplo, na Madeira encontras a Fagorama-Cooperativa de Produção e Comercialização de Produtos Agrícolas CRL. A este conjunto de produtores podes comprar uma enorme variedade de flores. Cravos, margaridas, aspiritas e fetos reais, são algumas delas.
 
Já se a tua flor é o antúrio, tens de passar em Vila Nova de Famalicão. Na Antúrios Araújos Lda, em Cavalões, irás certamente encontrar o que desejas.
 
Na Gigagarden-Botânica SA, na Guia, tens uma enorme panóplia de opções para poderes escolher as flores que mais gostares.
categorias relacionadas
sobre o autor
Mara Domingues
Redação e criação de conteúdos

O meu nome é Mara, muitas vezes confundido com Maria, Marta ou até mesmo Lara.
E onde entra a escrita na minha vida?...

ver perfil
62
Publicações
Estatísticas relacionadas